Número total de visualizações de página

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Jovem... Meu amor

Jovem… meu amor

Jovem flor, que bom o despertar,
deste corpo nu que carrego
Provocas-me, o limite do meu íntimo
Jovem perturbada, menina a desfrutar
Deste corpo nu, que altivo não nego
Mesmo que irritado pelo amor

Jovem flor…

Menina inspiração de quantos homens
Até deste corpo nu, em transe e inquieto
Provocas-me, as delícias do olhar
Jovem, menina, loucura do meu aperto
Oh delírio, inquietação do mundo
a conquistar

Jovem flor…

Jovem… Meu amor
deste corpo nu, que sonha que alcança
Que canta, que grita, que geme
Que provoca a nau, no mar que dança
No mar que quer, no mar que sente
Oh realidade, de um coração que treme
Que pede, esse teu odor de flor…
De gente… Meu amor


José Alberto Sá

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Condução da vida

Condução da vida

Acordo em mim próprio e olho em volta o ar simpático.
Levanto-me e entro jardim dentro, estou feliz, sinto-me modelo desta violação que me faço!
Amo!
O que me importa é o improviso lá fora, correm os meus olhos em imaginação, correm os membros, pés e mãos com objetivo!
Agarrar depois de acordar, todas as flores que aromatizam esta minha grandiosa sensação de um ser sagrado!
Um ser vivo que se confessa na simbiose, com cada elemento que sente.
O além é azul que respiro, é vermelho que me aquece, é verde na esperança, amarelo na beleza, branco na suavidade e negro no desconhecido que procuro conhecer!
Acordo na simplicidade que me reveste, que me isola humildemente e me faz crescer.
Adormeço em mim próprio e olho em volta o ar simpático dos sonhos!


José Alberto Sá

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Mesmo

Mesmo

… Mesmo quando te vejo em filigrana.
Apetece-me continuar a escultura, apetece-me ser oferecido a esse rendilhado.
… Mesmo sendo tu a modelo de pele intocável, de desejo Narciso, da melhor criação, de um céu que preciso… De tudo, de tudo que me devora o juízo!
… Mesmo quando te vejo excelência, quando te olho amor, me apetece continuar este caminho.
… Mesmo quando a loucura que levo, seja somente para te ver.
… Mesmo que não possa sentir, ou ser a overdose da minha vontade.
… Mesmo assim, preciso que me ames, tal como te amo.


José Alberto Sá

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Estímulo

Estímulo

Trémulas são estas mãos ingénuas,
que te exploram meu amor!
Na pureza de cada estímulo,
de cada curiosidade
que os meus olhos já conhecem de ti
Trémulas são estas mãos ingénuas,
meu amor!
Que todos os dias, exploram em ti
tudo... Tudo de novo

José Alberto Sá

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Vivo

Vivo

Eu não vivo nessa vida!
Onde a vida já não cabe!
Eu vivo na vida com vida!
Onde a vida é de quem sabe!


José Alberto Sá

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Alcoolizados

Alcoolizados

Bebo amor e absinto
Bebo a loucura e não sinto
Bebo pecados e dança
Bebo braços, pernas abertas
Bebo lábios que a língua alcança
Bebo tangos nas cobertas

E gemidos sobre as nuvens
Um sol bebido em calor
Uma lua bem sonhada
Mais amor,
numa noite penetrada

Bebo o verão em tons pastel
Bebo ventres, bebo mel
Bebo bagaço que me atordoa
Bebo veneno chamado sexo
Bebo beijos e desejos
Bebo turbulências sem nexo
Bebo vontades, doa a quem doa

Bebo o mundo
Bebo imundo
Bebo nas bebedeiras do ser
Bebido como homem que sou
Bebo na taça a quem chamo mulher
Bebo louco quando vens,
Bebo louco quando vou

Bebo sem medo do teu olhar
Bebo esse teu corpo que venero
Bebo até morrer por te amar
e é louvor
Pois ambos bebidos seremos, como eu quero
Como tu queres… Meu amor


José Alberto Sá