Número total de visualizações de página

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Bailado

Bailado

Curvas-te sedenta
E os pés altivos te fazem revelar
Curvas para quem não aguenta
A dança das calcinhas
Por entre pernas a cantar
Curvas tuas… Curvas minhas!

Curvas-te com ternura
E os pés sonâmbulos são a chave
Curvas que levam à fechadura
Portas de um salão
Por entre balsas, tangos e quem sabe…
Penetrar nas curvas desta canção!


José Alberto Sá

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Deste-me um dia...

Deste-me um dia…

Deste-me um dia, uma esmola num beijo!
Um amor recompensa e um olhar diluído
Deste-me um sorriso que já não vejo
Um abraço, um olá… Hoje partido

Dei-te a distância pela esmola sem receio
Uma prece te ditei, um sussurro puro e sincero
Dei-te a bondade e o carinho que anseio
Um novo sorriso, um novo beijo, que muito quero

Dar e receber é em mim coisa de infância
Querer é amar essa vontade sem distância
Pedir é sonho, uma esmola de amor

Passar por ti é sentir que nada é em vão
Deste-me um olhar, um sorriso, um louvor
Dei-te a escolha de me seres… Um sim ou um não!


José Alberto Sá

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Amontoados

Amontoados

São sapatos amontoados,
no tapete do meu quarto… São quatro
Uma jóia no pescoço, doce tatuagem
São pés descalços apaixonados,
na cadeira do pecado… São beijos
Uma perna, outra perna, corpos em viagem
São gemidos de gargantas e desejos
São seios na gravata
São almas puras… É belo
Uma cintura apertada, encanto e beleza
São loucuras de quem se tapa
Numa mistura de gestos em caramelo
Bocas sedentas e braços apertados
Como sapatos amontoados


José Alberto Sá

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Beija-me... Beijo-te

Beija-me… Beijo-te

Tenho as mãos presas,
no teu rosto
E o meu olhar é tão violento,
dentro do teu
Que sinto os lábios humedecidos,
pelos teus
E a língua a subir
a escarpa dos sentidos


José Alberto Sá