Número total de visualizações de página

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Pela igualdade

Pela igualdade

Resgate falso é o que vejo nas rotundas, rostos concebidos para sorrirem no cartaz, rostos que para o povo, tanto faz…
Depois do erótico gesto do voto, e digo erótico porque que votar para mim é penetrar uma folha inconsciente, numa ranhura com a convicção de que esse nome nos irá esquecer conscientemente! Poderia usar palavras menos próprias, não é que não tivesse vontade!
Por isso vejo nos cartazes figuras pornográficas, os que violam o povo com o tal sorriso, o tal abraço, a tal foto, o aperto de mão, o olá, bom dia, boa tarde, boa noite… Pelo voto hipócrita!
Depois… São seres saciados pela luxúria, pelo sorriso altivo, pelo abraço escolhido, pela foto de alta classe, pelo aperto de mão aos da mesma gamela, o olá ao povo, bom dia, boa tarde, boa noite… No pódio da hipocrisia!
Resgate falso é o que vejo nas rotundas da minha terra, publicidade enganosa, pintados minuciosamente para o momento, caricaturas ensaiadas para a mentira, alterando a paisagem natural do erotismo, das curvas e da relva que usam sem pedir!
Tanta sensualidade e mestria!
Como podre é a mente dos fetichistas, que alteram o estereótipo tradicional da verdade e da igualdade na rua que a todos pertence.
Faz-me lembrar o sexo e a cidade, todas a querem penetrar… Parecem deuses a definhar sob o jugo da ignorância, do disparate e do eterno erro da humanidade, que votam e depois criticam.
Olho-os como bonecas insufláveis, que depois de usadas são atiradas no lixo… Tenho pena de os não considerar humanos, não os vejo de carne e osso e muitos menos os vejo a amar. Que filhos criarão estas mentes humanas? Tenho pena de já não acreditar e queria tanto…
A minha terra precisa de consentimento, precisa de verdade, de igualdade, amor, de mar com sol e povo, de natureza com vento e povo, de terra com fruto e povo, de vida com alegria e povo, de muita vida feliz, pois só o povo a faz assim…
Só se consegue ser feliz, com uma geração que seja sorriso aberto ao povo, que seja abraço apertado em todas as ocasiões, que seja aperto de mão mesmo que calosa, que seja um olá sincero, bom dia, boa tarde e um boa noite sem mordomias.
A minha terra precisa de alguém presente nos grandes eventos, mas também ao lado de quem nada tem… Isto não é um alerta, é somente um desabafo de quem viveu, vive e quer viver feliz numa terra que o merece.
O meu abraço a quem é verdadeiro na minha terra, com certeza o sentirá.
Não alimentem os abutres, Espinho não tem carne putrefacta, tem gente com vontade de dar e receber e isto só se consegue com pequenas obras, com pequenos gestos, para todos em igualdade.



José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.