Número total de visualizações de página

sábado, 1 de abril de 2017

A mudança

A mudança

Tão jovem eras tu e sempre me encorajavas com esses teus olhos secretos.
Tão jovem eras tu e eu não resistia à circunstância dos teus apetites diretos.
Tão jovem eras tu e indefesa perante a força do meu olhar.
Tão jovem eras tu, que no frenesim arrebatado por mim, te abrias para amar.
Eram os toques obscenos aos quais me dedicava com amor.
Eram momentos de energia que se redobravam ao nos possuir.
Eram pele na pele, os dedos nervosos e apetites acetinados em flor.
Eram investidas, esforços sorridentes, suspiros contentes e lábios róseos a pedir.
Tão jovem eras tu, de mão trémula e macia, que se faziam passear.
Tão jovem eras tu, brilhante como a lua e de excitante estremecer.
Tão jovem, tão bela, tão sublime, que de perfeição nada mais era como o teu salivar.
Eram fervorosos os movimentos de cintura, que hoje lembro com ternura o nosso apetecer.


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.