Número total de visualizações de página

sábado, 4 de março de 2017

Quimera do meu sonho

Quimera do meu sonho

Eu vi na transparência um corpo selado, de vestido de rendas e tecido num corpo inviolável ao toque, somente os meus olhos, me fizeram relembrar exéquias e honras na minha imaginação.
Nesta prosa ou poema, conto o estado de alma, quando na doce calma, transpirei pela íris do olhar, ao ver e imaginar o doce corpo vestido.
Disfarcei e de bloco na mão escrevi estas palavras, desenhei com estes dedos que tremiam, porque tremer, até os meus olhos o faziam. Aquele corpo vibrava por entre folhos, sem que lhe pudesse mexer.
Esta é uma afirmação, este é o meu ar cândido de um homem sensível, num corpo vestido, que eu via transparente, que me quebrava a paciência e me era apetecível.
Famoso com certeza é o costureiro, que assim veste formosa dama, olhava sem ser o primeiro, nem o último ao convite da chama.
Calcinha branca de ilusão, sutiã de renda cor romã, curvas de sonho, num infinito deserto que me salta e me faz falta ao oásis que disponho.
Cruzou a perna a maldita em atrevimento, saltou-me aos olhos sentimento e um poder sem poder, correu-me o sangue pelas veias ao infinito, subiu-me o íntimo e acreditei, que o mundo é tão perfeito, que a quimera ao se cruzar, fizeram os meus olhos gritar e ao mundo agradecer a cor transparente do meu sonhar e do meu apetecer.


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.