Número total de visualizações de página

sábado, 4 de março de 2017

No abrigo

No abrigo

Chovia naquela estrada, o frio vinha misturado no vento que assobiava e me fazia recordar tudo que me faltava, o quente sentir de quem esperava.
A chuva penetrava à força no meu consciente e acelerava o inconsciente que descansava em penitência, dormindo como em todos os dias, como num ritual onde vergado venerava o frio que passava.
Que paixão violenta tinha eu, sem fronteiras, sem deixar desaparecer a vontade de o fazer acordar, num lugar qualquer, quando a voz ao ouvido me fosse de mulher.
Chovia naquela estrada, a água corria como uma procissão enfadonha, carregada de objetos que aproveitavam a boleia… E volta e meia, sentia o frio, separava-me em pensamento, deixando as coisas indignas as levar o vento, deixar as coisas dignas acordar lentamente e me libertar, quando um doce beijo eu recebi sem contar!
Chovia naquela estrada, ao ouvido palavras sussurradas que me diziam: Amor, uma voz feminina de lábios frios e um coração capaz de acelerar o sagrado por quem sou apaixonado.
O vento trazia frio e se misturava no abraço, demoramos tempo, muito tempo naquele abraço e beijo sentido. Ao sair dali fizemos como o vento, rodamos como numa dança, sentimos como se fossemos crianças a brincar às escondidas, fugimos sem saber para onde, como crianças perdidas, corremos de mão dada, tudo em aquecimento para sentirmos o êxtase bem calculado, sempre em espírito sensual, sentimos o abrigo e ambos fomos cúmplices das condições atmosféricas, No final fizemos uma analogia ao tempo… O inconsciente que venerava e tinha acordado, molhado estava… Chovia naquela estrada!

José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.