Número total de visualizações de página

sábado, 11 de março de 2017

Deixai romper, deixai...

Deixai romper, deixai…

Deixai… Deixai que o corpo rompa as flores.
Deixai que o ventre e que a semente seja fruto da seara, das flores e do amor que não pára.
Quem me dera sentir ao te embalar, esses teus gritos a ressuscitar, teus gemidos ouvir como que a cantar e despidos sentir a primavera, neste deixai romper, neste quem me dera!
Deixai-me pedir a luz e oferecer-te toda a claridade, e nesse imponente amor, sentires o meu, no teu, o que te fosse melhor.
Deixai o céu ser o mundo, deixai que o suspiro dessa tua boca, seja vento na minha e pelas mãos perdidas, se sinta no mais profundo, o amor, a paixão e que a quimera da união seja louca.
Quem me dera que o perfume de ambos ficasse tatuado no mais sagrado ventre, que um dia desejei e que ao sonhar-te pedi e prometi que te daria, tudo que é meu. E que ao romper desse dia, as flores sejam magia, sejam tudo que eu mais te pedia…
E ao pedir, quero receber o vento da tua boca e gritar: Deixai romper, deixai…


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.