Número total de visualizações de página

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Quando os pólos se desejam

Quando os pólos se desejam

Faz amor, faz-me notável, faz-me ser artista, um artista só teu, só para ti.
Faz amor, faz-me coroar frutuosamente, faz-me ser, faz-me emergir em emoção, faz com que eu não te resista.
Faz-me ser.
Ser artista!
Faz-me contagiar pelo teu corpo, pelo sortilégio de te sentir arte e espectador, faz amor… Faz!
Faz-me chegar ao ponto mais alto e dominar a aguarela, com esbatidos suaves, brandos, feitos pela língua húmida de quem quer ser artista!
Faz amor, faz-me sentir por entre… Por tudo, por mais, faz-me sentir profundamente a tua seriedade, faz-me ser teu!
Faz amor, faz-me ser consciente na escultura do teu produzido e belo ser.
Faz-me ser a exceção e deixa-me delirar com expressões de amor.
Faz amor, faz-me acreditar que sou raro na arte de amar.
Faz-me sorrir com o ideal concretizado, faz amor, faz-me espreitar o segredo para que suba alto e toque esses dois pólos, o amor e a arte de amar.
Faz amor, faz-me ser artista… Só para ti!


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.