Número total de visualizações de página

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Pic... Pic... Pic...

Pic… Pic… Pic…

A chuva cai e o vento é flauta que toca ao longe e que sopra os cabelos de alguém que se abriga em mim.
Não sei se cisnes ou flamingos dançam no lago que a chuva forma…
Pic… Pic… Pic…
As mãos tocam-se em silêncio, somente as folhas que passam, se fazem ouvir na mistura melodiosa da chuva…
Não sei, mas conseguia sentir passos de um bailado, quando nossos pés se tocaram.
Não sei que fragrâncias se soltaram, mas foram tantas as flores que vieram para nos ver.
E a chuva… Pic… Pic… Pic… Lembrei de alguns invernos, onde a trovoada iluminava o horizonte.
Fiz-me sorrir e ela fechou os olhos e se aproximou, esqueci por um momento o tempo que beijava o chão.
Os seus lábios róseos caíram nos meus e foi aí que absorvi toda a dança.
A flauta continuou a tocar, as folhas continuaram a se divertir no caminho… Não sei se cisnes ou flamingos, sei que o lago os abraçava com amor.
As nossas mãos continuaram a conversa e os nossos lábios ficaram húmidos… A chuva caía mais forte… Pic… Pic… Pic…
Fomos embora para continuar a ouvir a melodia de um sonho, enquanto chovia.


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.