Número total de visualizações de página

domingo, 26 de junho de 2016

o mundo anda louco!

o mundo anda louco!

caem trovões no silêncio das nuvens, caem trovões que atravessam os céus e caem na terra.
surreal! sento-me para contemplar os raios e a loucura que ilumina o tempo!
matem-me as vozes que gritam austeridade, já não as consigo ouvir, já não me lembro de mentir… caem trovões… longe!
autêntico labirinto entre as estrelas, entre o povo, entre a fome, a injustiça e o medo…
caem trovões na folha branca, onde terei de assinar mais um sacrifício! mais um credo… uma cruz…
matem-me as loucuras praticadas, matem-me neste poema, os raios caem, nada mais valerá a pena… matem-me em cada quadra, em cada verso, em cada palavra… em cada prosa!
caem trovões comediantes, longe os oiço… matem-me! eles vão chegar aqui!
tenho medo do sol, não o vejo há dias! as vozes o bloqueiam, o tempo não o mostra, já sou mercadoria vendida e mal paga!
caem trovões… o amor vencerá… venham raios de longe, venham vozes de nós… de nós portugueses, mercadoria sobre a terra, na fé, na vida… em Deus… com Deus… comigo!
caem trovões na terra… levanto-me e amo o céu!

José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.