Número total de visualizações de página

domingo, 19 de abril de 2015

Quando surge o amor

Quando surge o amor

Surgiu a cor amarela por entre os dedos, numa mistura com o carmim que quis ver plantado, quiseram ambas nascer nessa terra feita de carne, onde a raiz já se espalhou… E me fez acontecer…

Surgiu a tonalidade por entre os lábios que se quiseram ocultar, deixando penetrar as entranhas das palavras que não dissemos…
Surgiu um sol que deixava esquecer uma lua já possuída, os braços que nessa noite foram sal num mar de amor, onde as areias se misturaram nos corpos nus da água cristalina…

Surgiu o silêncio em poses sensuais… Gemidos anormais que se misturaram na maresia, senti os soluços de translúcido fervor… Tremias… Tremias meu amor…
O vento também surgiu quando a pele se arrepiou e ambos nos confundimos com a praia molhada… As mãos arremessavam a saia e provocavam o tempo de cor amarela…

Surgiu o frio que sempre tenho no momento final… O estremecer da semente que louca se faz penetrar na terra que me quer levar… Amo o surgir de um ventre puro com cheiro a mar… Um ventre macio e aveludado, que me faça sonhar através de uma janela virada para um horizonte, onde a luz se esquece e o sol floresce numa cor amarela…


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.