Número total de visualizações de página

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Força estranha

Força estranha

É uma força estranha! Este poço que oscila nas promessas de um espelho, onde te vejo nua e agarrada ao silêncio que habita contigo.
Estás interdita à minha voz, tenho medo de te chamar e te arreliar por não me quereres presente.
Deixo que continues a expulsar as manchas que sobrevoam o espelho do teu sonhar.
É uma força estranha! Mas somente te vejo da porta… Eu não entro, nem te perturbo.
As tuas costas viradas para mim, escondem mil segredos, que somente os vejo no espelho da minha íris… Seria belo olhar-te… Tocar-te… Fazer-te sorrir…
Estás interdita aos meus gestos, nem dás por mim… Ontem estavas aí e senti vontade… Toquei-me… Transpirei e consegui sentir o frio do chão em contraste com o calor de ti… Sim, vinha de ti.
Amo a força da minha teoria, consigo tudo que quero… Imaginando! Mas na prática só o espelho silencioso sabe, que nada tenho… Desculpa a ousadia, mas sempre que posso espreito… E que bom é olhar-te, perante o pecado psicológico do meu sensual querer.
É uma força estranha! Este poço entre mim e a beleza do teu corpo...
Apetece-me partir o gelo que me habita, queria ter coragem para te gritar: Amo-te.
Como amo espreitar esse teu silêncio, na esperança que te retires dessa tua nudez e te vistas comigo… Com a roupa da minha vontade.
Espero que me sintas um dia… É uma força estranha!



José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.