Número total de visualizações de página

terça-feira, 17 de junho de 2014

Violento governar (Parte II)

Violento governar (Parte II)

Falei de amar… Pena que até o amar é violento… Para quem não sabe viver…
Que até o amar é uma palavra sem sentido… Pelos que violentam a governar.

Palavras cancerígenas e encantadas pelo zumbido anil… Passado, presente e um futuro a mil… A mil é dizer imenso! É tanto tempo violento… E se eu aguento, é porque grito pelo melhor… O céu também grita… Ouvindo o vento da prosa que vos chega… Ouvindo o tempo de poesia que vos alivia… Palavras como jardins, onde a rainha é rosa e os espinhos a ousadia… A cantiga do vento é a vontade de quem manda, de quem arrelia o tempo… Um tempo violento.

Escapa-me a fúria da minha voz por entre as palavras… Falei do vento… Falei do tempo… Mas violento é tudo que me é roubado, que nem em prosa, nem na poesia me deixam ficar calado… Violento é o ódio… Daqueles vermes medalhados no pódio… Violento é o vazio… Vazio de um espaço por preencher… Falei de amar… Abracem as palavras e gritem… A voz é vencer… E o povo é poder…


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.