Número total de visualizações de página

terça-feira, 24 de junho de 2014

Flor que o mundo repartiu comigo

Flor que o mundo repartiu comigo

Uma pétala que em minha mão cai, num ritual de perfeito sentir, do perfeito voar pela sina da minha pele.
E a pele absorve, sente a frescura tonificada de fragrâncias suaves, se o toque for enaltecido pelo olhar…
Olho e cativo-me perdido na sensualidade da cor, em cada saliência que exala perfume da sua sensualidade.
Sinto-me o frasco de elixir rejuvenescido, sinto-te na impregnação, no tacto que minha pele deseja.
Sou o desejo de um olhar penetrante e que me faz levitar pelas contas de marfim, feitas para ornamentar os desejos de um homem de coração pulsante.
Pois pulsante é cada batida numa pétala em minha mão, cada perfume em meu olfacto, cada essência em palavras dirigidas ao meu consciente e perfeito sentir.
Pétala que em minha mão cai, sinto-te capaz de te ver despida, agora que sozinha, fora do alcance das tuas irmãs… Na minha mão te peço… Despe-te…
Somente nua és a perfeição, como quando em botão… Te fizeste ao mundo, como quando ao florescer te apresentas no meu jardim… Somente para mim.
Para mim é um amor que me faz sonhar, ser flor, ser a razão de uma mão segura…
Ser a terra que te fez crescer, ser o mar que te separa de mim… Em fim… Ser o céu que nos aproxima… Ser a mão que te sente… Ser a pétala que me quer… Como eu te quero… Pura.
Flor que se abriu para me dar, como quem dá ao outro… O amor.


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.