Número total de visualizações de página

domingo, 17 de março de 2013

Naquela noite...


Naquela noite...

Ao ler as tuas palavras, senti vontade
Uma vontade capaz de me fazer levantar
Correr para ti... Fugir sem saber...
Sem saber se a luz da tua claridade
Me queria escutar
... Continuei a ler,
o que escrevias devagar
Suavemente me acariciavas
Sentia no rosto a tua mão
Sentia na seca boca, um molhado beijo
Sentia no corpo o perfume que imanavas
... Aí chorei... Sem qualquer explicação
Tudo era somente o meu desejo
A minha razão...
... Pois tu não estavas!
Meus olhos queriam te ver
Minhas mãos queriam te tocar
Um apaixonante apetecer
... A magia... Essa aconteceu!
O teu coração, conseguiu ler o meu
E aquela flor me disse, quero-te falar
Corri...
Saltei...
Absorvi...
E tu falavas-me, estavas ali...
Devorei... Amei e mais não sei!
Na rua não importava a chuva, o vento
Nem o frio me apoquentava
Somente te queria sentir... O meu alimento
Que bom... Tão bom... Tão belo
Tão... Perfeito
Uma voz,
que sempre trago no meu peito

José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.