Número total de visualizações de página

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Amor confuso


Amor confuso

Perto de tudo, nada alcancei
O pecado escorregadio, já não fugia da minha visão
Pensava em tudo, em tudo que ainda não sei
Afastado dos seus braços, pensei em lhe pôr a mão

Achava tudo e tudo se perdia
Num chão para andar, que não andava
Perto de tudo, no vazio da minha euforia
E cego pelo querer, em nada tocava

O longe parecia uma luz tão perto
O céu no seu azul, quase lhe tocava
Um toque, um sonho quase desperto

E sujo sem sono, na cama lavada
Sentia o amor mais solto, nos braços do seu aperto
Apertado em amor, quando o amor não me levava

José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.