Número total de visualizações de página

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Caminho de casa


Caminho de casa

As pedras no meu caminho
Sabem contar todas as histórias
Histórias tatuadas num corpo,
num chão
São testemunhas de um povinho
São pedras pisadas por perdas e vitórias
Imunes ao tempo de agora… Sem pão
Jaz morto…
O valor da pedra fria
Pedra que piso em chão sagrado
Calcários ao vento
Pedras da noite, pedras do dia
Granitos do nosso tempo…
É um caminho lavado, mas amado
Amado nas pedras da minha calçada
Elas sabem tudo, conhecem cada pisar
Nós não sabemos nada
Sabem o peso de quem por lá passa
Fugidas em passos ligeiros
Passos de gente apressada…
Sem pressa
Sem olhar o caminho da minha calçada
Vida dura sem promessa
São vidas do meu caminho
Caminhos do meu vizinho
Pedras rodeadas pelo mundo
Pedras da terra que as rodeia,
são abraços
E os passos…
Aqueles… Que pisam bem fundo
São a voz no meu caminho
Voz de um povinho
Pedras nossas, da vida alheia
São vultos que vejo passar
São pedras… Lindas e vistosas
Pedras do meu lar
Pedras da minha terra,
pedras vaidosas

José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.