Número total de visualizações de página

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Espelho


Espelho

Estavas reflectida no espelho
Quis espreitar
Curiosidade de algo proibido
Fiquei vermelho
O calor do meu corar
Estavas molhada, imaginei ter-te bebido
Olhaste para mim
Sabias que eu te espreitava
Sorriste com perfume de jasmim
Teus olhos sugaram-me,
o coração palpitava
Deixaste cair a toalha de linho
Dei um passo em frente
Senti-me em teu ninho
Linda princesa…
Quando abriste os braços docemente
Eu dei mais um passo e abraçamo-nos
Voamos para o tapete… Que subtileza
A cada gesto teu, me fui despindo
Amamo-nos
Em gemidos que foram surgindo
E ali no tapete…
O amor sempre se repete
Sempre que te vejo ao espelho
Sempre que fico vermelho
Sempre igual, somente amor
Do preliminar, à diversidade, ao suor
Da vontade à verdade
Até que o espelho fique embaciado
Loucura reflectida quando tudo se promete
Pernas, braços, beijos… Total emaranhado
Pela culpa do espelho que te reflecte

José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.