Número total de visualizações de página

domingo, 17 de junho de 2012

Só mais uma vez


Só mais uma vez

Pediste-me vezes sem fim
Que fosse eu um anjo
Olha para mim...
Não sei como me arranjo
Não consigo mais voar
Quiseste que eu fosse o teu mar
Que eu fosse imenso
Olha para mim...
Já não consigo nadar
Nas águas do teu olhar
Somente consigo chorar quando em ti penso
Pediste-me que fosse a tua praia
Que na areia corresse para ti
Olha para mim...
Sonho com as ondas da tua saia
Recordando o amor que senti
Somente sei fazer um coração na areia
Olha para mim...
Para ti correria sim, de alma cheia
Mas tu me pediste os astros do céu
Pediste-me que fosse o sol
Mas somente sou eu
Com o perfume de um girassol
Olha para mim...
Querias que eu fosse uma flor
Um botão perfumado quando brota
Mas eu... Somente sou amor
Igual ao voar de uma gaivota
Olha para mim...
Não me peças que seja diferente
Leva-me para ti como sou
Serei em ti uma semente
Serás para mim, o que o meu coração sonhou
Olha para mim...
Só mais uma vez, sente o meu escrever
Verás a esperança numa lágrima transparente
Um escorrido desejo de te ter
Mas olha para mim... E sente

José Alberto Sá

1 comentário:

  1. lindo..amei o ontem, amo o presente ,e na palavra ausente apenas a alma ,o corpo.sente...bjinho doce

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.