Número total de visualizações de página

domingo, 10 de junho de 2012

Sair para voar


Sair para voar

Sofro no meu canto
No meu chão duro
No meu frio
A ausência do amor
Olhos de água, meu pranto
Corpo pálido, dor que aturo
Sem brio
Dor...
Sofro espezinhado, por palavras horríveis
Desabafos impossíveis acreditar
Sofro angustiado por mentiras desprezíveis
Saídas de uma boca, sem paladar
Cravo-me em unhas para que sinta
Uma dor menor, àquela que sofri
Ferro-me nos lábios, para esquecer
Palavras que lhe ofereci, onde gastei minha tinta
Escrevi, falei, implorei e nada vi
Somente o meu sofrer
Passou tanto tempo e não saí do meu canto
Passaram horas e não saí do meu chão
Passaram dias e ainda não sinto calor
Hoje escrevi bordado num manto
O que é sofrer do coração
Na ausência do amor
Hoje, vou sair do meu canto e voar
Quero deixar do meu chão e partir
Ser o mesmo que sempre fui mesmo a sonhar
Até que o amor me torne a sorrir
Depois, somente quero ser a felicidade
Deus sabe o que merecemos
Deus sabe o que demos
Eu sei que Ele é a verdade
A paga... É a luz que nos ilumina
À razão... Uma luz que em mim cabe
À mentira uma luz pequenina
Só Ele sabe...

José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.