Número total de visualizações de página

domingo, 9 de outubro de 2011

Sou o sol


Sou o sol


Por vezes penso ser o astro rei

Que vergonha, que força tenho eu?

Para querer ser, o que não sei

Para conseguir o que não é meu

Penso ser um sol envergonhado

Um sol de Dezembro

Tomar conta do seu reinado

Querendo ser, o que já nem lembro.


Sem o sol, os olhos fecham

O meu coração é água que congela

Queria ser o sol, dos que se queixam

Queria ser o sol, ficar com ela

Por vezes penso ter uma lágrima escondida

Aquela que derrete no teu calor

Raios de sol, lições da vida

Sol brilhando ao som do amor.


Não me importa o rosto do sol

Não me importa a cor dos seus olhos

Não me importa se é da cor do girassol

Importa sim, se me chega aos molhos

Sol, muito sol, penso que sou

Mesmo do outro lado do mar

O sol brilha, penso ser eu para ti

Mesmo do outro lado do meu amar

O sol me brilha, penso seres tu que sorri

Por vezes penso que sou, mas não

Sou fraco, não consigo

Somente sou o sol de coração

Somente sou o sol e fico contigo


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.