Número total de visualizações de página

sábado, 3 de setembro de 2011

O meu tecto


O meu tecto


O tecto do meu quarto é branco

Branco neve

O branco do meu deitar

Branco leve

O branco do meu amar

Acordado, olho-o fixamente

Ele não mente

Não fala

É branco de algodão

Não cala

o meu coração

Acordado lhe conto segredos

Com todas as palavras

Sem medos

Frases de amor

Até coisas parvas

O tecto é branco,

de branco flor

Com ele adormeço

Com ele me deito

O tecto que mereço

É branco...é do meu jeito

Ilumina...parece o céu...

Ele ouve os meus ais

É branco da cor do véu

Quando me enrolo no céu

No crepúsculo dos pardais...

O tecto do meu quarto é...

Branco

É lindo, é manto

É belo, é o cobertor

Ele é luz, meu louvor

É branco liso e recto

E por baixo do meu tecto,

eu faço amor


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.