Número total de visualizações de página

domingo, 22 de maio de 2011

Borboleta

Borboleta

Porque brilham os meus olhos?
Porque os verdes prados os encantam
melodias que vêm nos recantos da natureza
das flores que aromatizam o meu olhar.
Borboletas que voam, quando parecem rir
mostrando a felicidade, como que a brincar.

Sobem, sobem numa dança de pontas
suavidade, alegria e beleza.
Tantas bailarinas de asas que vejo,
no palco do meu amar
dançando de roda, na imensidão de flores.
Eu também danço e não me canso
de olhar.
Meus amores…

Eu ria…, eu delirava…, eu sentia
danças de amor, que a natureza me dava.
Corria para elas e com elas dancei
consegui flutuar numa clave de sol
quase adormecido… sonhei
sentia uma harmonia que reinava
só interrompida, pelo canto do rouxinol.

Dança e melodia, palco da natureza
deus natura, borboleta que amava.
Descalcei e descalço corri sobre o verde manto
braços abertos, senti que para meu espanto,
eu não sonhava.

Tudo acontecia, tudo verdade
o amor tinha-me abraçado
no palco de toda a vaidade e eu amei
e dancei aquele bailado.
Fechando os olhos podia sentir, o vento
que levava a minha dama, subindo no céu
subia e quase não a via, ela acenava
e suas asas pareciam um véu.

Borboleta que amei,
na certeza que ela me amou
por isso os meus olhos brilham,
pela felicidade, pela verdade
e pelas lágrimas de saudade,
que o vento levou.

José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.