Número total de visualizações de página

quinta-feira, 25 de maio de 2017

O futuro fabril (febril)

O futuro fabril (febril)

O mundo de mim nada sabe
Nem a voz de quem ordena é exactidão
Eu vivo o amor que em mim cabe
Dando ao mundo o suor de cada mão

E mesmo sabendo que não me escutam
Digo de mim a sabedoria
Trabalho arduamente pelos que permutam
O amor suado com alegria

É assim o mundo das inteligências corrosivas
É assim o corroer de altiva voz bruta
Fazer sentir um milagre pedido ao mendigo salva vidas
Que sem opinião se vê frouxo na sua luta

Dizem alguns que é mudança
Para outros o dinheiro é soberano
Para quem grita e mendiga o trabalho é esperança
De um teatro sem artistas ao fechar do pano

Assim é o dia entre obstáculos e paredes
Assim é a evolução des(humana), sem amanhã
É assim o mundo trabalhador preso entre redes
É assim o poder de um mundo, que talvez será!

O mundo de mim nada sabe, nem quer saber
É por essa razão que somente sou eu
Um ser humano capaz de compreender
Que a morte é igual, desde que o mundo nasceu


José Alberto Sá.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.