Número total de visualizações de página

domingo, 15 de janeiro de 2017

Menina de olhar meu

Menina de olhar meu

Eram olhos nos olhos, eram lábios deslocados, eram expressões sem equívocos.
Eram sentimentos que se misturavam e se ofereciam ao alimento vivo do desejo.
Eram perturbação, eram imaginação, eram contraste e loucura erótica… Quando de olhos nos olhos, sorrimos.
E sem segredos durante a noite, se abriu a concha e uma pérola surgiu, durante a noite o equilíbrio nos uniu e tudo explodiu num céu de duas estrelas.
E quando o mundo nasceu de novo, olhos nos olhos nos amamos como poetas, eram olhos nos olhos e o ventre no ventre, como ondas brancas a bater na areia de um mar perdido em nós.
Eram olhos nos olhos e o mundo era sol, a lua continuava à espera, à espera que uma estrela nos facultasse a eternidade em mais uma noite…
Eram olhos nos olhos e uma tatuada memória de sensações, que um dia nos aconteceu, eram olhos nos olhos… Tu e eu…
Um dia… Que nunca mais vou esquecer… Olhos meus, olhos teus, até morrer.

José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.