Número total de visualizações de página

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Quero viver contigo...

Quero viver contigo…

A minha aldeia precisa de mim… Mas é na tua que quero viver…
Abram-se as margens desse rio fechado para mim, abram-se as águas frias e perdidas.
Pois perdido também está meu coração. E ao olhar-me nas águas, sinto lágrimas, sinto medo… Desilusão.
A terra é estranha… O rio passa e atravessa a entranha, com uma vontade copiada por mim.
Assim… Sou emigrante de uma aldeia não sei onde! Numa aldeia que não me conhece, numa casa que não me viu nascer, mas que me quer prender e não me ver partir.
Abram-se os braços, nas margens do amor que me falas… Abram-se os lábios de uma boca que não calas… Mas que em silêncio me oferece um pedido…
Quero muito… E quando o olhar se reflete na água, na tua íris, imagino uma menina doce, tão doce que a minha pátria não me troca… Mas aceita a verdade do nosso amor.
A minha aldeia precisa de mim… Mas é na tua que quero viver…


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.