Número total de visualizações de página

sexta-feira, 25 de março de 2016

Dói-me a voz

Dói-me a voz

Oiço a voz da terra
E lembro os que já não estão
Oiço de coração
Os gritos do amor
No ódio à guerra
Como se fosse… Uma canção

Oiço uma voz enamorada
Uma rouquidão dolorosa
Como no sono a terra desbravada
Como picos de uma rosa
Soando gritos pela voz embriagada
Como se fosse o tudo… Ou nada

Oiço a voz da terra
E lembro a mágoa triste e contente
Gritos perdidos de quem quer ser gente
Vozes ao céu como quem berra
Às almas de quem o amor sente
Como se fossem poesia… Descontente

Oiço uma voz enamorada
Oiço a voz do alto da serra
E dói-me a garganta inflamada
Por gritar e ninguém ouvir, este meu ser
Gritos do mar, do céu e da terra
Pedindo tão simplesmente… Viver


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.