Número total de visualizações de página

domingo, 6 de março de 2016

Esforço da mente

É impossível desnudar-te
É certo que… Amar-te
Sempre amei
Mas desnudar-te… É impossível
Tu foges e eu sei
Eu sei…
Que é Cruel, desumano,
a forma que transportas
Esse corpo sem asas… Com asas!
Apetecível
Abrem-se janelas, batem as portas
O vento sopra, a corrente passa
Os olhos brilham
O corpo pulsa
A mente abraça
E tu…
Não te desnudas
Dessa roupa que não expulsas
Dessas asas de tecido
Que me desnuda o ventre
Me desnuda os lábios em gemido
E me fazem tremer… Tremer
Nesta vontade de ti ausente
É impossível desnudar-te
É certo que… Amar-te
Sempre amei


José Alberto Sá 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.