Número total de visualizações de página

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Eterno

Eterno

Acordei a pensar, o que será que torna o mundo eterno, qual a base do universo, qual a vontade da luz perante o meu pensamento.
Acordei admirado com os raios que entravam pela janela, vi soltar no ar vazio o pó que sem luz não existe…
Reparei, que de luz apagada eu também não existo, existirei se me tocar!
Então eu sou como o pó que se ilumina da luz, na vontade de poder voar, ou seja, na vontade de que os meus olhos o admirem.
Corri a persiana, quis sentir e imaginar o escuro, o pó sumiu… Tal como eu! Ou não… Toquei-me e senti que existia, mas sem rosto, sem cor… Vazio…
Mas o mundo é eterno para o pó… Para mim não, ainda sou mais fraco, o tempo me ensinou que nascemos do pó e em pó nos tornamos, verdade!
Então, talvez eu seja eterno!
Talvez um dia eu brilhe num quarto escuro, quando a luz entrar pela fresta da persiana… Talvez alguém me veja voar e se lembre de pensar…
Como eu… Como ele, pó!


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.