Número total de visualizações de página

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Continuo igual... E tu?

Continuo igual… E tu?

Aguento o mais gélido dos desprezos… A fuga de uma máscara fugidia…
Aguento os meigos afagos, que me abraçam feitos de traição…
Aguento quando na pobreza do meu acordar, nasce o dia.
E a dor sentida não sai do coração, sai dos rins pelo aperto urinário, que me faz sentir o aperto ou a vontade, uma erecção aflitiva…Tu não estás!
Desabafo na sanita!
Aguento o fogo que somente se quebra… Se acende perdido numa outra casca de madeira… É a acha que se acha, pelo achado moribundo num tempo que eu… Aguento.
São estas as palavras avarentas que escrevo, pois não as dou… Quero saciar-me delas, até que voltes a importunar este meu aguentar…
Aguento o esboço ou o esforço que empregas nos maxilares… Sorris lindamente… Na falsidade… Tanto que hoje acordei sorrindo para ti, estavas despida e pronta… Pronta para te despedires dessa máscara mais uma vez…
Tinha acordado e tu somente eras uma parte do sonho, da realidade mentirosa, a metade de ti, desse ser que me tem provocado…
Aquela provocação, à qual me habituaste a olhar sempre que te sinto… Pena não me veres, cegas-te a ti própria… És importante no jogo do aguentar… Armas-te pelo movimento que submetes á anca… Ou talvez as tuas nuas pernas me sejam o ser superior… O teu superior sentido feminino que me faz suar… Lembra-te somente que eu aguento… Talvez aguente até que venhas… Talvez até mais logo… Até… Até à exaustão, não sei que mais faça!
Penso que nem tu aguentas… Eu ainda sou igual… O mesmo… E tu?


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.