Número total de visualizações de página

terça-feira, 15 de julho de 2014

Diluído no papel (executo-me)

Diluído no papel (executo-me)

Executo-me nos painéis revestidos de palavras, tento ser o diluído em versos ou prosas… Sou palavra dominada pelos que sentem… Ou não…
Socorro-me ao catálogo dos vossos olhos e dos vossos sorrisos…
E escrevo…
Não sei se bem ou mal, sei que escrevo como se eu fosse uma corrente de água fria, que corre em direcção ao pulsar quente de um mar… O vosso coração.
Sempre escrevo ao vosso coração… Nada penso ou sou… Sozinho.

Sinto-me inquieto nesta guerra que jamais vou ganhar… Ganhar faz parte de quem se atreve, de quem se mostra na luz de um ser incompleto…
Pois incompleto é imaginar a exaltação de uma vedeta, que se atreve a mostrar o êxtase daquilo que não é, essa vedeta sequiosa de lava luminosa… Que por vezes assim me faz imaginar… E perdido me vejo nesse ser incompleto… Executo-me aqui… Escrevo… Painéis de palavras…


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.