Número total de visualizações de página

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Arremessos de saudade

Arremessos de saudade

Conto as pedras que atiro ao rio, vejo-as naufragar, uma e mais uma, frias, macias e arremessadas com saudade… Uma saudade pura, tal e qual a cor da íris de um sol que me espreita.
És tu que lembro em cada pedra que mergulha na água fria, tal e qual o gelo que vive dentro de mim… Dentro de mim te sinto chegar, através das ondulações que provoco na água… Cada salpico é um vislumbrar de amor.
És tu que lembro em cada pedra que se afunda, assim é o fosso entre nós… Longe… Assim renasce no meu coração o desejo de ti… A saudade.
Conto as pedras que atiro, cada batida na água me faz recordar o som da tua voz… Timbre melódico… Beleza que me leva pelas margens da minha imaginação, de mão dada.
E de mão dada sinto em cada pedra a sensação de ti… Teu corpo macio.
Ali… Tento enganar o tempo, o meu olhar tenta vaguear pelo horizonte da ausência e se faz lembrar que um dia… Um dia te terei comigo…
Mais uma pedra… Regressa a saudade.
Conto as pedras que atiro ao rio, polidas para que se façam deslizar, assim é a macieza do perfume que a natureza me dá… Sempre na esperança que regresses…Tu… Natural.
Sinto-te linda na água batida, te vejo vestida de esperança… Deslizas pelo verde puro do meu respirar.
Mais uma… São frias as pedras…
És tu que lembro quando sinto a solidão.
E são tantas as vezes… Que hoje quis atirar as pedras que acumulei nas margens do meu rio… Este rio de saudade que corre em minhas veias… Vim ver-te… Sentir-te… Olhar-te no meu espelho de água doce… Tão doce como tu.
Conto as pedras que atiro… Com amor e para amar na saudade, como se estivesse eternamente contigo.
Num rio, com a imensidão do mar… A saudade de ti.


José Alberto Sá 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.