Número total de visualizações de página

domingo, 26 de janeiro de 2014

Quero ficar

Quero ficar

Ainda é cedo para lá chegar… E o destino já está marcado
Sinto nos passos, os pés que marcam a estrada cinza…
Alcatrão
Mas ainda é cedo… As horas me dirão a cor dos meus cabelos
Como me dirão as rugas… Que o tempo rasgou na pele seca de um marcado

Ainda é cedo para lá chegar… Trémulas ou vibrantes, levo as minhas mãos
Que abraçam…
Que chamam…
Que apertam…

Alguém me diz: Ainda é cedo para desenlear os novelos de uma tosquia
Onde a lã de ovelha… São nuvens que passaram pela tesoura que me corta
Corta-me a vida, como corta o frio, a pele seca dos mendigos durante a noite, durante o dia

Ainda é cedo para correr… Dizem eles, que ainda existe esperança
Mas ainda é cedo… Cedo! Porra… Cedo e eu quase tropeço no medo
Cedo? Porra… Quero mais depressa… Quero chegar… Mas quero chegar tarde
Ainda sou novo…

É cedo, falo baixinho… Não vá alguém ouvir e me levar
Não tenho pressa de chegar… Ainda é cedo…
Tão cedo que me lembro dos pobres indefesos

Levo a trémula mão ao bolso… Uma moeda! Mas já é tarde para lhe dar
Os cabelos brancos… Iriam ficar como os dele… Indefesa criatura…
Teve pressa
Pressa ou medo de se enlear nos novelos da vida… Lã das ovelhas tosquiadas

Ainda é cedo e a roupa não me serve… A nudez me faz ser rico
Na rua… Na vida com pressa… A roupa é pobre… Rôta… Gasta
Os olhos miram o vazio de uma pressão desonesta… E ainda é cedo

Para que eu parta sem dizer à mente farta… Pulhas… Faúlhas…
Gente putrefacta
Poder que nos empurra à pressa… Mas… Ainda é cedo… Eu quero ficar
… Aqui… Um pouco mais…E depois sim… Irei… Sem medo,
porque ainda é cedo…


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.