Número total de visualizações de página

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Eis-me no ato

Eis-me… No ato

Eis-me… E na mão!
O tempo a que tal me convidas
Quem sabe, se de manhã
Á tarde ou à noite, teremos serão
Roupas rompidas
Suspiros que a vontade nos dá

Eis-me… E na mão!
O espreitar sem leis
Quem sabe, se te abres
Um dia na minha canção
E danças comigo se assim quereis
Num corpo meu, onde só tu cabes

Eis-me… E na mão!
O membro de amorosas folias
Quem sabe, uma escritura
Um cavalgar de louca emoção
Pela manhã… Todos os dias
Um corpo teu que me atura

Eis-me… E na mão!
O prémio por te ter
Quem sabe, se o mundo nos quer
Um dia, dois ou muitos mais
Minha mão… Tua mão
Dois corpos que amam por ter
O amor, a luz que vier
Será a vida que não esquecereis,
jamais



José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.