Número total de visualizações de página

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Eu sou do tempo

Eu sou do tempo

Do único tempo
Do tempo sem tempo para mim
Mas com tempo, superarei o tempo
Esse mimoso rodar,
que sabe contar
Num tempo, que com tempo
Será meu jardim

Romperei a luz do dia
Sem romper a luz da aurora
E á noite beliscarei o ponteiro que trás a magia
Num relógio com noite e dia
Onde o tempo, terá que ter tempo
Só um momento
Que seja um tempo que chegue
e não vá embora

Escreverei com gravetos
Palavras com tempo no meu chão
E no tempo que conta o beliscar de um coração
Será tempo de poesia, onde a luz se mistura em sonetos
Tempo contado ao segundo
Minutos de alegria
Horas de amor, no tempo do meu mundo

Lavo a alma nestas palavras
Contadas no decorrer do meu tempo
Ele não para, somente pulsa as vontades raras
Raras vezes contadas no tempo da paixão
Onde o amor se atira frenético
Beijos e abraços de emoção
Este tempo que me quer assim
Num tempo magnético
Num tempo que te quer colada a mim


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.