Número total de visualizações de página

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Grito para que me ouças

Grito para que me ouças

Grito desalmadamente sobre as areias movediças
Sentindo o enterrar do azedume,
por não te ter… Por isso grito
Grito e berro pela brisa que me atiças
Grito e berro em aromas de um mar que acredito
… Para que me ouças
Fala-me dos céus gritantes de azul estrelado
Grita-me dos becos obscuros de negro alcatrão
E faz-me acreditar que a gritar…
Serei o sonhado
A realidade que quando acordado,
consigo sentir, contigo o mesmo chão
… Para que me ouças
Grito sobre as ondas dos teus cabelos,
saboreando o teu perfume
Desalmadamente grito às pedras que se atravessam no meu caminho
Peço que me deixem passar,
pelo grito sem queixume
Que me deixem passar,
para te beijar e sentir o teu carinho
… Para que me ouças
Deixa-me gritar por favor…
Dizer em voz alta o teu nome em amor
Quero sentir sem medo de ter medo,
o que me pode surgir
Mas deixa-me gritar aos ventos que subtilmente
me fazem sentir o odor
Um perfumado sentir,
a vontade de poder gritar antes de partir
… Para que me ouças
Ouve-me antes de fugir, na procura de um meio que desejo
Gritar contigo de mãos dadas,
pelo corredor do meu mar
E nas areias movediças gritar pelo teu beijo
E ser engolido pelas entranhas do meu mar,
para te amar
… Para que me ouças
Deixa-me gritar,
serei no grito a vontade profana do teu olhar
Devagar chegarei ao mais íntimo sentir do teu corpo de mel
E no meu grito soltar o mais húmido gemido do meu sonhar
E contigo gritar…
Gritos de amor e união, iguais aos gritos que gritei…
Neste papel


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.