Número total de visualizações de página

domingo, 3 de fevereiro de 2013

Pedra onde me sento


Pedra onde me sento

Eu amo-a
Vês os meus olhos
Vermelhos porque a trago
Na mente vestida de folhos
Sentido no fogo que contigo apago
Cinza, fumo e pó
Pedaço despejado
Moinho sem mó
...
Vês as lágrimas que escorrem
É a minha face triste
É o despejar quando nos ocorrem
Vontade de quem resiste
Que só a ti te posso contar
Não dirás da minha dor
Vês...
Sozinho aqui continuo para amar
Um olhar que me foge, perdendo a cor
Eu quero-a
...
Vês a minha mão
Treme pelo querer
Tu sabes a vontade do meu coração
Só a ti conto que não a quero perder
Só contigo desabafo em oração
Pedra onde me sento
Silêncio puro, fria e sincera
Ouves-me como ouves a voz do vento
Pedindo amor... Ai quem me dera
...
Vês... É nosso este segredo
Teu silêncio é a voz do meu consolo
Secas as lágrimas da vida bruta
Teu silêncio é o meu colo
Pedra fria, a única que ainda me escuta


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.