Número total de visualizações de página

domingo, 23 de setembro de 2012

Carta à chuva


Carta à chuva

A chuva cai
Cai sobre o pó da terra seca
A chuva vai
Vai levada numa correria até ao mar
Nem um ai
Quando a chuva cai,
sobre o que guardo na minha gaveta
Chuva de amor, num ser que é pai
Que sente a chuva a passar
Como água lamacenta
Mistura
Dura
Numa procura,
desenfreada
Procura do nada, um sentimento em papel
Que escrevi e guardei
A chuva cai e eu já nem sei
Se devo continuar a escrever
A chuva vai e eu já não quero
Não quero pensar na carta do meu desespero
Um sentimento sem quartel
Onde guardo palavras que à chuva tento recordar
Escritos de amor que escrevi embriagado
Pelo suco da uva
Mas hoje, lembrei com a chuva
A carta que me faz acordar
E me faz transpirar apaixonado
A chuva cai
E eu, aqui olho cada gota
Levada junto com o pó
Gotas sem dó
De uma menina marota
Tempestade numa carta sem abrigo
A chuva cai linda e farta
A chuva vai
Mas tu ficas comigo
Na minha carta

José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.