Número total de visualizações de página

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Ao outro lado da poesia


Ao outro lado da poesia

Apetece-me escrever
Mesmo não sabendo
Apetece-me ser
Mesmo não sendo
Que importa, se uma nuvem apareceu
Quando mil estrelas brilham
Que importa se o mal à terra desceu
Se é o bem e o amor que nos maravilham
Apetece-me escrever
Sendo um inculto feliz
Apetece-me corroer
A cultura que o outro me diz
Poeta?
Um poeta escreve o que lhe vai na alma
Poeta? Eu?
Sou um ser do céu!
Para alguns, sou quem tira a calma
Não são as minhas poesias
São manias
Problemas intelectuais
Paranormais
Irracionais até…
Escrevo e escreverei sempre
Sou um poeta na minha fé
Sou de Deus, sua semente
O outro?
Desculpem… Ele é a nuvem que passou
Eu brilho na luz das minhas estrelas
Vivo alegremente
Na alegria de quem gosta de mim
Apetece-me escrever
Mesmo não sabendo
Palavras do meu jardim
Palavras do meu apetecer
Mesmo não lhe apetecendo

José Alberto Sá 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.