Número total de visualizações de página

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

A minha palavra


A minha palavra


As palavras são a verdade
Só não pensa assim,
quem não tem palavra
Nas palavras não temos idade
Olhai para mim
Não é o cão que ladra,
é a mente humana na pureza do cetim
Palavras que digo... Sinto
Se calo... Não escrevo
Palavras que dou, são as que não minto
São a verdade escrita num trevo
Sorte ou azar de quem as sente
A vida é feita de gestos
A minha não mente
Mas palavras... Poucos as sabem dizer
São razões da vida ou protestos
Palavras de um coração, que só sabe bater
Bate forte para gritar
Gritar palavras sem hesitação
Palavras e não gestos de cativação
Gritos de um tempo, letra a letra
Palavras escritas e faladas com meu coração
Desenhadas na perfeição,
com minha caneta
São as palavras que a mim tudo falam
Os gesto e risos
Talvez juízos que calam
Momentos precisos
Palavras negadas
Regadas pela água lamacenta
As minhas são amadas
Momentos modestos
No amor às palavras que me alimenta
Que não são gestos


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.