Número total de visualizações de página

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Sem nexo...


Sem nexo…

Arrepiante!
Com uma coragem desumana
As palavras tacteavam o meu olhar
Frias, não pensadas
Loucura no ar
Foi marcante!
Irremediavelmente impura, insana
Frases pensadas pelo mero odiar
Duras, pesadas e em mim marcadas
Deixando a mentira pairar
Galopante!
Mentiras e desabafos, mero ciúme
Coisas odientas, terríveis
Palavras sem chama, sem lume
Horríveis…
Um instante!
Sinto a aurora de um ser bom,
ciente de que na falha se é mau
Um fácil apontar de dedo sem dom
De uma cara de pau…
Nem amante!
Espezinhada pela luxúria
Mente perversa
Que sem conversa
Errou na fúria
Pena errante!
Penúria, das duras bofetadas
Já esquecidas
Conversas marcadas
Feridas saradas
Em veias perdidas
Dilacerante!
É o pensar miúdo
Mente pequena, em luxo de roupa
Mente perdida, doente e louca
Somente… Eu não mudo

José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.