Número total de visualizações de página

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

2012 Tempos difíceis


2012 Tempos difíceis


Nas arestas o negrume corta

Prismas do tempo

Brisas celestiais por entre a porta

Azimutes traçados pelo vento

Arestas da vida

Limas ou grosas, forçosa moagem

Cérebros que voltam na ida

Nas horas do mundo em vadiagem

Prismas sem sombras

Ventanias de provocantes solavancos

Colunas feridas onde tombas

Pontes submersas em rios mancos

Brisas de frio agreste

Minuto rápido e cavalgante

Estrela sem brilho, o céu se despe

Um segundo… A vida… A morte… Um instante

Azimute sem mapa, sem rosto

Terramoto sem pedido

Vinho fraco, bebido sem gosto

Furações destruidores, mundo perdido

Arestas molhadas nas enormes ondas

Lágrimas num rosto sem cara

Ventos e tempos, tumores e sondas

Vidas sem batidas, gente rara

Humanos sem humanidade

Arestas, azimutes e prismas

Razões sem nome, sem idade

Impotência dos cérebros com cismas


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.