Número total de visualizações de página

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

O rumo


O rumo


Porque caminhas tu

Sem direcção

Porque caminhas nu

Despido de preocupação

Vagueias pelos valados

Deambulando sem cuidados

Porque te atreves

A seguir sem destino

Caminhos a quem deves

Pagas tuas, da vida sem tino

Não existe meta na tua prova

O limite é a tua exaustão

Caminho do nada… Cova

Caminhas deveras na ilusão

Pés dormentes deves sentir…

Tu…

Corpo sem cor, sem sorrir

Nu…

Caminhos pelados

Caminhos sem horizonte

Desgovernados

Sozinho… Ou tudo ao monte

Homem sem fronteiras

Sem vontades

Sem vaidades

Cansado da vida… Olheiras

Uma escolha, sem solução

Uma vida sem rumo

Pára homem, sem coração

Não existe fogo sem fumo

Caminha no caminho da vida

Caminha alegremente, sem pudor

Serás caminho com saída

Serás o caminho e amor


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.