Número total de visualizações de página

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Menina da esquina


Menina da esquina


Uma esquina duas caras

Dobradas em pedras frias

Pedras rosa, pedras raras

Pedras negras das lágrimas quando não rias

Esquina vincada

De ruas traçada

Vidas corridas

De mentes sofridas

Esquinas do nada

Negação do outro lado

Que deste onde me vejo

É minha esquina na mente do fado

Esquina de beijo não dado

Do lado da pedra fria

Ruas que a esquina engolia

Na velocidade da saudade

...

Esquinas verdes, verdete do tempo

Esquinas onde as crianças brincam

Cortes do vento

Prisão em liberdade

Nas ruas onde se dança

Dança menina, que eu te espreito

Te levo no meu peito

Fugindo das esquinas da cobrança

Menina que te refugias

Nas pedras frias

Ruas sombrias

Que o tempo adivinha

Pedra de saia curta

Sombras da minha luta

Menina da minha esquina

Fruta de pedra

Pecado da vida que nada levou

E da esquina levaste o que nada ficou


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.