Número total de visualizações de página

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Quando pouco é tudo


Quando pouco é tudo


Tenho somente uma gota

Para quê ter o oceano

Se a grandeza que se semeia

Pode simplesmente ser engano

De uma ganância marota

Tenho somente um grão de areia

Para quê ter o deserto

Se a imensidão é poder vê-la

Senti-la de mais perto


Como sentir as palavras de um verso

Tenho somente uma estrela

Para quê ter o universo

Se o amor é um simples laço

É o amor e não a guerra

Tenho somente meu espaço

Para quê eu ter a terra


Semeio simplicidade e amor

Cavo na terra que acolherá meu fim

Tenho somente uma flor

Para quê ter um jardim

Se os aromas são a vaidade

Essências de tons suaves

Amar e ter vontade

Quando…

Tenho somente a liberdade

Para quê eu ter as aves


Sou eu… Só

Onde me plantaram para amar

Sonhando neste mundo de pó

Mundo de paz e felicidade

De sons de encantar

Na minha vaidade…

Tenho somente o meu Deus

Para quê… Ter os teus


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.