Número total de visualizações de página

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Um café e um poema

Um café e um poema

Tomava café e tu estavas comigo num poema!
Na realidade, estavas ali, poderia até tocar-te ou… Olhar-te simplesmente.
O doce eras tu na mistura do açúcar, que na realidade era eu e tu tão-somente! Tão sozinhos no mesmo papel!
Mexi várias vezes o café e era intocável o corpo que escrevi… O teu!
Mexi várias vezes o café e foi inalterável o poema, estavas tu, estava eu!
Levantei a chávena quente, fumegante… Imaginei-te aromaticamente e te desejei capaz de me inundar a boca.
Nada senti! Talvez tivesse que alterar o poema e tornar-te um pouco mais louca!
O café descia-me pelo peito, quis que fosse os teus lábios, mas tu nada podias fazer, tinha-te prisioneira no meu poema!
Quando coloquei sobre a mesa a chávena, olhei-te novamente no meu poema… Estava escrito o teu toque doce e meloso, estava escrito o teu sorriso atraente e charmoso, estava escrito o teu olhar cativante e da cor do meu café.
Tomava café e tu estavas comigo num poema… E no poema eras minha… Nele és parte de mim e isso ninguém altera!


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.