Número total de visualizações de página

quarta-feira, 23 de março de 2016

Talvez um dia

Talvez um dia

Pergunta-me…
O porquê destes meus versos
Tristes, alegres e dispersos
De um coração doce e partido…

Pergunta-me…
O poema, que te escrevo comovido
Amargo e mal compreendido
Na pergunta que me colocas…

Pergunta-me…
O porquê da minha vida
Inconstante e diluída
Num olhar e na saliva de mil bocas…

Pergunta-me…
Pela areia, pelo mar
Das ondas tuas que sabem calar
Na pergunta que pões

Pergunta-me…
E talvez te responda um dia
Se para minha alegria
Unirmos os corações


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.