Número total de visualizações de página

sábado, 19 de abril de 2014

Minha estrela

Minha estrela

Ao olhar o céu,
amo cada estrela
E nesse céu sinto vontade de roubar uma…
Uma que me faz lembrar de ti

Em certos momentos sinto-me tão longe…
Longe do teu brilhar
Sinto-me presente, mas distante…  
E a minha vontade é perguntar, porque foges de mim?
Porque me trazes a saudade, desse teu olhar?
Tu és a minha estrela… Minha, porque és a que mais brilha…

Todos os dias… Sinto que me espreitas…
E eu me sinto o vaso da minha varanda,
onde as rosas se humidificam em cada espera
Em cada segundo…
A eternidade sentida nas lágrimas deste meu…
… Teu rosto
Somente pela vontade de te ver, por te sentir
e sofrer por não te ter

É à noite que me refugio na varanda adornada de rosas,
as flores que enfeitam a razão de ali estar
Eu conto cada estrela…
Na esperança que me acene… Que fales comigo…
Que venhas…
E que sejas tu… Como só tu és…

Que sejas a estrela cadente, que vem poisar
no chão da minha varanda.
Conheço tantas estrelas, sei-as de cor…
Conheço tantos brilhos, sei-os de cor…
Mas tu! És única na luz que me reflecte

E quando nasce o dia, recolho-me na saudade…
A lágrima se solta pela face de um cego por amor
Sempre que te sonho… Vejo-te a sorrir…
Olhos brilhantes… Beleza como dantes… Igual a ti
E hoje ao escrever neste meu céu…
Quero deixar claro…
Tens em cada noite a minha varanda
Cada roseira que nasce, tem o teu aroma…
Espero… Espero que um dia me possas sentir
como desejo
Nem que seja a última noite na minha varanda…
O meu coração se abre para te receber…
Vem e brilha junto dos meus lábios

Ao olhar aquela estrela, sinto-te!
Será que me sentes?
Espero que venhas e sejas o calor,
de um cego por amor


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.