Número total de visualizações de página

sábado, 25 de janeiro de 2014

Mãos... As minhas

Mãos… As minhas

Na palma da minha mão
Vejo as linhas da vida
Não as sei ler…
Fecho os olhos e imagino o sol
Que ilumina cada grão
Grão de areia de um mar que imagino ter
Dentro de cada mão
Em cada linha do meu coração

E o sol que vejo de olhos fechados
É o brilho
de uma mente limpa…
Suave
Brilho intenso planador
… Amor
Como as ondas de um mar,
que se fez ave

Na palma da minha mão
Vejo um caminho traçado
Caminho passado
Caminho onde vivo
Caminho desejado
… Contigo
E ambos,
caminhamos pelas linhas do meu chão
Traçadas na pele rugosa
… Calosa
Minha mão… Minha sina…
Linha sim e linha não
Minha Rosa


E o sol que vejo de olhos fechados
É luz de um ser que não reclama
Que vive
Que caminha pelos caminhos trilhados
A sina de uma vida que me chama
Escrita nas linhas que eu não sei ler
Mas que me fazem crer
Que minhas mãos nasceram
Para abraçar a luz a quem me ama


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.