Número total de visualizações de página

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Tua uva, meu vinho

Tua uva… Meu vinho

Quero repartir contigo os vagos,
do meu pensamento
Neste momento reparto tudo
e tudo é tão pouco
O que me escapa é tão bom…  É o vento
É o ar perfumado sem flores…
Um mundo louco

Não quero pensar sozinho
Quero sim… Pegar-te pelo pé
e beber-te delicadamente
Como se eu fosse feito de lábios,
que bebem do teu vinho
E aí repartir numa adega de corpos,
A nossa embriaguez docemente

Quero tanto mastigar as uvas
de tom escuro
Morde-las numa dança de língua continua
Repartir contigo cada vago que seguro
E ambos bebermos do néctar,
se o vinho fermenta na doce e nua

Não quero sentir sozinho o desequilíbrio,
o frio da parede
Quero sentir bagos unidos nesta partilha,
nesta humidade de um sim
Vinho que escorre de pelas pernas
e me fazem sede
Louca partilha embriagada
em uvas de cor carmim

Videira descascada … Sem parra
Em abraços sentidos no espremer
É dança, é o contorno do corpo… é farra
Tua uva… Meu vinho… Dois corpos, um ser


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.